VoltarHome/Jurisprudência Previdenciária

PREVIDENCIÁRIO. PROCESSO CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO INDIVIDUAL DE SENTENÇA COLETIVA. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. PROTESTO INTERRUPTIVO. EFEITOS. LEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. TRF4. 5038028-31.2022.4.04.0000

Data da publicação: 27/12/2022 11:00

EMENTA: PREVIDENCIÁRIO. PROCESSO CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO INDIVIDUAL DE SENTENÇA COLETIVA. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. PROTESTO INTERRUPTIVO. EFEITOS. LEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. 1. A decisão proferida na Ação de Protesto Interruptivo n.º 5004822-37.2020.4.04.7100/RS interrompeu a prescrição para o ajuizamento da execução individual originada da ACP n.º 2003.71.00.065522-8, o qual recomeçou a correr pela metade, nos termos do art. 9º do Decreto n.º 20.910/32. 2. Tendo sido reconhecida, de forma expressa no próprio incidente, a legitimidade do MPF para o ajuizamento do protesto interruptivo da prescrição, não há razão para se discutir essa questão em cada uma das ações individuais. (TRF4, AG 5038028-31.2022.4.04.0000, QUINTA TURMA, Relator ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL, juntado aos autos em 19/12/2022)

Poder Judiciário
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Agravo de Instrumento Nº 5038028-31.2022.4.04.0000/RS

RELATOR: Juiz Federal ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL

AGRAVANTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

AGRAVADO: ANA ELISIA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: ANA LUIZA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: FERNANDA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: LUIZ CARLOS DOS SANTOS (Espólio)

RELATÓRIO

O INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS interpõe agravo de instrumento em face da decisão que afastou a sua impugnação - prescrição da pretensão executória, diante do ajuizamento da presente ação em momento posterior ao prazo de 05 (cinco) anos após o trânsito em julgado da ação originária, ocorrido em 18/02/2015 (evento 31, DOC1).

Sustenta a Autarquia, em síntese, a ocorrência da prescrição da pretensão executória, nos termos da Súmula 150 do STF, uma vez que já transcorridos mais de 5 anos entre o trânsito em julgado da ACP n.º 2003.71.00.065522-8, em 18/02/2015, e o ajuizamento da execução originária, em 29/04/2022. Pretende seja reconhecida a prescrição da pretensão executiva, bem como a ineficácia do protesto oferecido pelo MPF, diante de sua ilegitimidade, e, consequentemente, extinta a ação.

O pedido de atribuição de efeito suspensivo foi indeferido (evento 2, DOC1).

Após as contrarrazões (evento 26, DOC1), veio o processo para julgamento.

VOTO

A decisão liminar (evento 2, DOC1) neste agravo de instrumento resolveu suficientemente a matéria recursal:

De fato, consoante a própria jurisprudência e entendimento assentado pelo STJ em sede de recurso repetitivo, o prazo para o ajuizamento da execução individual originada de ação civil pública é de cinco anos, contados do respectivo trânsito em julgado, verbis:

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. PRESCRIÇÃO QUINQUENAL DA EXECUÇÃO INDIVIDUAL. PRESCRIÇÃO VINTENÁRIA DO PROCESSO DE CONHECIMENTO TRANSITADA EM JULGADO. INAPLICABILIDADE AO PROCESSO DE EXECUÇÃO. RECURSO ESPECIAL REPETITIVO. ART. 543-C DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. PROVIMENTO DO RECURSO ESPECIAL REPRESENTATIVO DE CONTROVÉRSIA. TESE CONSOLIDADA. 1.- Para os efeitos do art. 543-C do Código de Processo Civil, foi fixada a seguinte tese: "No âmbito do Direito Privado, é de cinco anos o prazo prescricional para ajuizamento da execução individual em pedido de cumprimento de sentença proferida em Ação Civil Pública". 2.- No caso concreto, a sentença exequenda transitou em julgado em 3.9.2002 (e-STJ fls. 28) e o pedido de cumprimento de sentença foi protocolado em 30.12.2009 (e-STJ fls. 43/45), quando já transcorrido o prazo de 5 (cinco) anos, estando, portanto, prescrita a pretensão executória. 3.- Recurso Especial provido: a) consolidando-se a tese supra, no regime do art. 543-C do Código de Processo Civil e da Resolução 08/2008 do Superior Tribunal de Justiça; b) no caso concreto, julgando-se prescrita a execução em cumprimento de sentença. (REsp 1273643/PR, Rel. Ministro SIDNEI BENETI, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 27/02/2013, DJe 04/04/2013) Sublinhei.

Assim, tendo a Ação Civil Pública n.º 2003.71.00.065522-8, da 20ª VF de Porto Alegre, transitado em julgado em 18/02/2015, a prescrição se consumaria em 18/02/2020.

Não obstante, em 28/01/2020, o Ministério Público Federal ajuizou o Protesto Interruptivo da Prescrição n.º 5004822-37.2020.4.04.7100, postulando a interrupção da prescrição em relação à pretensão da ACP n.º 2003.71.00.065522-8 (E-Proc n.º 5075282-83.2019.4.04.7100), a fim de preservar o direito dos beneficiários do INSS - titulares ou sucessores de benefícios previdenciários concedidos no período de março/94 a fevereiro/97, com domicílio do Rio Grande do Sul, exceto aqueles em relação aos quais já foi reconhecida a litispendência ou que tenham proposto ações individuais - que ainda não tenham promovido a execução individual da decisão transitada em julgado no processo originário. Foi proferida, no incidente de protesto interruptivo da prescrição, em 26/08/2020, a seguinte decisão:

"Vistos em despacho.

Trata-se de protesto interruptivo da prescrição, movido pelo Ministério Público Federal em 28-01-2020 contra o Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, que pretende interromper o curso da prescrição da pretensão executiva nos autos da Ação Civil Pública nº 20003.71.00.065522-8 (ora digitalizada sob o nº 50752828320194047100), a qual tratou da revisão dos benefícios concedidos pelo INSS no RS entre 03/94 e 02/97 com a aplicação do IRSM de 39,67% referente a fevereiro de 1994.

Alega que a Ação Civil Pública que movera transitou em julgado em 18/02/2015, tendo sido implantada a nova renda mensal dos benefícios e pagas por complemento positivo as prestações vencidas a partir de 60 dias do trânsito em julgado. Historia procedimentos adotados para divulgar e viabilizar as execuções individuais e evitar a duplicidade e informa ter considerado para a propositura da demanda "a) a iminência do encerramento do prazo prescricional para o ajuizamento de execuções individuais, que finalizar-se-á no próximo dia 18/02/2020; e b) o inexpressivo número de execuções individuais". Tecendo considerações sobre a potencial quantidade de beneficiários daquela ação coletiva, elencou as dificuldades práticas para propositura coletiva da execução, bem assim indicou serem apenas 6 (seis) as execuções individuais ajuizadas. Pleiteou "o deferimento do presente protesto, a fim de interromper a prescrição em relação à pretensão da ACP 2003.71.00.065522-8 /digitalizada 5075282-83.2019.4.04.7100, conservando-se o direito dos beneficiários do INSS – titulares/sucessores de benefícios previdenciários concedidos no período de março/94 a fevereiro/97, cujos titulares são domiciliados no Estado do Rio Grande do Sul, excluídos aqueles em relação aos quais foi reconhecida a litispendência ou que tenham proposto ações individuais – que ainda não promoveram execução individual da decisão transitada em julgado no processo originário; e c) a divulgação da interrupção do prazo prescricional por meio de editais a fim de dar conhecimento geral aos interessados."

Determinada a intimação do MPF para que tivesse ciência da real quantidade de execuções individuais já propostas, após certificadas as quantidades das 3 unidades jurisdicionais em Porto Alegre, pelo evento 4.

Peticiona o MPF no evento 9 reiterando que, em que pese a quantidade de feitos já ajuizada, a grande quantidade de execuções pendentes garantia o seu interesse em mover o protesto, pleiteou fosse juntado a estes autos a relação de beneficiários com direito à revisão atribuindo-se, em seguida, sigilo aos documentos.

Passo a decidir.

1) Sobre os documentos/relação de beneficiários da sentença na ACP solicitada pelo INSS: Os originais dos documentos listados no evento 2, EXECUMPR5, página 32, se encontram depositados em Secretaria. Tendo em conta a atual vedação ao trabalho presencial e mesmo ao comparecimento ao prédio sede da Justiça Federal, resta, por ora , inviável acolher o pleito. No entanto, a listagem elaborada por este juízo e juntada no evento 5, INFBEN2, daquela ACP, possui todos os números de benefícios abrangidos (sem indicação, no entanto, de dados pessoais). Sendo assim, intime-se o MPF se pretende a juntada daquela listagem (em que pese a ela tenha acesso nos autos da ACP originária) ou se aguardará o retorno das atividades presenciais do Judiciário Federal para que se faça possível a juntada requerida.

2) Protesto interruptivo da prescrição: Em relação à questão fática, cabe consignar, de pronto, que o trânsito em julgado da ACP 2003.71.00.065522-8 /digitalizada 5075282-83.2019.4.04.7100 ocorreu em 17-02-2015. Sendo assim, a prescrição da pretensão executória se configuraria no dia 17-02-2020, porquanto iniciado o prazo quinquenal em 18-02-2015. Tendo sido o presente protesto interruptivo ajuizado em 28-01-2020, tempestivo se mostra.

Em se tratando de protesto interruptivo da prescrição, assemelha-se, no novo regime processual civil, a procedimento de jurisdição voluntária, inexistindo manifestação meritória do julgador acerca do mesmo e sequer sobre seus efeitos. Neste sentido, por todos, transcrevo pequeno trecho de ementa de julgado do STJ:

'15. O simples deferimento de protesto judicial não contém juízo meritório sobre a obrigação, uma vez que se trata de procedimento não contencioso e meramente conservativo do direito em tese existente.

16. Conforme explicam Luiz Guilherme Marinoni e Sergio Cruz Arenhart, "Na realidade, essas medidas ostentam caráter de clara jurisdição voluntária, em que o Judiciário é utilizado apenas como o veículo para a manifestação da intenção do requerente. (...) Em todos estes casos, como se vê, não há propriamente atuação jurisdicional, no sentido de que nenhuma providência se espera do órgão judicial, a não ser o encaminhamento ao requerido da manifestação apresentada pelo autor. Não há, portanto, decisão judicial nestas medidas, de modo que não cabe ao magistrado pronunciar-se sobre a mora, sobre a dívida, sobre o contrato etc".(Curso de processo civil: processo cautelar, Vol. 4, 6ª ed., São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, 2014, pp. 300-301).17. Na mesma linha, Humberto Theodoro Júnior afirma que "O protesto não acrescenta nem diminui direitos ao promovente. Apenas conserva ou preserva direitos porventura preexistentes. Não tem feição de litígio e é essencialmente unilateral em seu procedimento. O outro interessado apenas recebe ciência dele". E mais: "Da unilateralidade e não contenciosidade do protesto, interpelação e notificação,decorre a impossibilidade de defesa ou contraprotesto nos autos em que a medida é processada (art. 871). Nem, tampouco, se admite a interposição de recurso contra seu deferimento" (Curso de direito processual civil, Vol. II, Rio de Janeiro, Forense, 2014, pp.668-670).' (REsp 1340444/RS, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, Rel. p/ Acórdão Ministro HERMAN BENJAMIN, CORTE ESPECIAL, julgado em 14/03/2019, DJe 12/06/2019)

Em que pese considere que mais útil à globalidade da jurisdição seria, nos próprios autos deste feito, já se deliberar sobre uma série de questões que tenho por cabíveis e passíveis de questionamento em execuções individuais propostas após aquele prazo prescricional original de 17-02-2020, em sendo mero protesto inexiste tal possibilidade. Com efeito, tenho que seria viável discutir, por exemplo:

a) se a interrupção da prescrição efetuada pelo INSS produz efeito para execuções individuais ou apenas para a execução coletiva, nos moldes do artigo 100 do CDC;

b) se a interrupção determina que o prazo torne a correr pela integralidade ou pela metade, nos moldes do Decreto nº 90.210;

c) qual o efeito em relação a menores e a sucessores de segurados falecidos.

No entanto, não possuindo o protesto interruptivo da prescrição caráter de efetiva lide, não há como, até mesmo em homenagem à independência jurisdicional de cada julgador ao apreciar os feitos que lhe forem submetidos, deliberar este julgador sobre os temas acima.

O que cabe aferir é se é cabível a interrupção da prescrição da pretensão executiva e se tem o MPF legitimidade em tal situação de ação civil pública. Nos moldes da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça transcrita na inicial, tenho como afirmativas as respostas a ambos os questionamentos.

Por conseguinte, deve ser processado o presente protesto, intimando-se o INSS do mesmo e, após, proferida a respectiva decisão homologatória do processamento. A apreciação acerca da efetiva interrupção da prescrição da pretensão executiva e respectivos efeitos e marcos temporais será efetuada, individualizadamente, por cada julgador nos feitos submetidos à respectiva jurisdição e e nos quais suscitada a questão.

A fim de dar conhecimento a terceiros, após processado o feito será expedido edital de ciência das partes.

Por conseguinte, defiro o processamento do presente protesto interruptivo da prescrição, nos moldes do artigo 202, II, do Código Civil bem como § 2º do artigo 726 do CPC. Tendo em conta a tempestiva propositura da demanda e o atraso na prolação da decisão, não podendo eventual atraso prejudicar o proponente, a data a ser considerada em caso de interrupção da prescrição será a do ajuizamento, a saber, 28-01-2020.

Notifique-se o INSS, pelo prazo de 30 dias.

Após, com o decurso do prazo e manifestação do MPF sobre o item 1, venham conclusos para sentença homologatória e determinação de edital.

Intimem-se."

Não se desconhece, no entanto, que foi submetida à sistemática dos recursos repetitivos a questão submetida a julgamento pelo STJ no Tema 1.033, afetado em outubro de 2019: Interrupção do prazo prescricional para pleitear o cumprimento de sentença coletiva, em virtude do ajuizamento de ação de protesto ou de execução coletiva por legitimado para propor demandas coletivas. No entanto, não houve determinação de suspensão das execuções individuais das ações coletivas.

Desse modo, considerando a decisão proferida no Protesto Interruptivo da Prescrição n.º 5004822-37.2020.4.04.7100/RS, bem como o que disciplina o parágrafo único do artigo 202 do Código Civil, recomeçou a correr, em 28/01/2020, por metade, o prazo prescricional para o ajuizamento da execução individual dos beneficiários da Ação Civil Pública.

No caso concreto, portanto, tendo a execução individual sido ajuizada em 29/04/2022, deve ser mantida a decisão agravada; até porque, quanto à alegação de ilegitimidade do MPF para promover o protesto interruptivo, o próprio incidente examinou a preliminar, afastando-a expressamente.

Nesse sentido, precedentes desta Corte:

PREVIDENCIÁRIO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. IMPUGNAÇÃO. PRESCRIÇÃO. DESCABIMENTO. PROTESTO INTERRUPTIVO. 1. O prazo para o ajuizamento da execução individual originada de ação civil pública é de cinco anos, contados do respectivo trânsito em julgado, conforme jurisprudência dominante e entendimento assentado pelo STJ em sede de recurso repetitivo. 2. Caso em que interrompida a prescrição, que voltou a correr por metade em razão da decisão proferida no incidente de Protesto Interruptivo da Prescrição nº 5004822-37.2020.4.04.7100/RS. (TRF4, AG 5030786-21.2022.4.04.0000, SEXTA TURMA, Relatora TAÍS SCHILLING FERRAZ, juntado aos autos em 25/08/2022) Sublinhei.

PREVIDENCIÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO INDIVIDUAL DE SENTENÇA COLETIVA. PENSIONISTAS. LEGITIMIDADE ATIVA. PRESCRIÇÃO. INTERRUPÇÃO. 1. Caso em que o direito à revisão do benefício do falecido segurado foi reconhecido na ACP 2003.71.00.065522-8/RS, cuja decisão está servindo de título executivo para o cumprimento visando ao recebimento de valores não recebidos em vida pelo segurado, pelo que, se um dos credores solidários ajuizou a execução no prazo prescricional, os demais são favorecidos pelo efeito interruptivo, a teor do disposto no § 1º do art. 204 do CC. 2. Além disso, a decisão proferida na Ação de Protesto Interruptivo da Prescrição nº 5004822-37.2020.4.04.7100/RS interrompeu a prescrição da pretensão executória desde 28/01/2020. (TRF4, AC 5011428-81.2020.4.04.7100, SEXTA TURMA, Relator JULIO GUILHERME BEREZOSKI SCHATTSCHNEIDER, juntado aos autos em 02/08/2022) Sublinhei.

PREVIDENCIÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO INDIVIDUAL DE SENTENÇA COLETIVA. IRSM DE FEV/94. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. 1. Proferida decisão na Ação de Protesto Interruptivo da Prescrição nº 5004822-37.2020.4.04.7100/RS, é possível o prosseguimento da execução individual da sentença proferida na Ação Civil Pública nº 20003.71.00.065522-8, porquanto dentro do prazo prescricional quinquenal visando as parcelas vencidas nos cinco anos anteriores ao ajuizamento da ação coletiva. 2. Forte no entendimento do e. STJ, a jurisprudência restou sedimentada no sentido de que o MPF tem legitimidade para promover o protesto interruptivo da prescrição para a execução individual de título coletivo. 3. Por sua vez, a discussão sobre a impossibilidade de uma segunda interrupção da prescrição, consoante o art. 202 do Código Civil, é matéria que deveria ter sido objeto de discussão no âmbito da Ação de Protesto Interruptivo da Prescrição nº 5004822-37.2020.4.04.7100/RS. Precedentes. 4. Com o trânsito em julgado dessa ação, iniciou-se a fluência de um novo prazo de prescrição - exatamente de acordo com a Súmula n. 150 do e. STF, o que afasta qualquer alegação de que o prazo de extinção da ação originária não estaria sendo interrompido pela segunda vez. Precedentes. (TRF4, AG 5010529-72.2022.4.04.0000, QUINTA TURMA, Relator FRANCISCO DONIZETE GOMES, juntado aos autos em 08/06/2022) Sublinhei.

PREVIDENCIÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO INDIVIDUAL DE SENTENÇA COLETIVA. TEMA 1.033 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. SOBRESTAMENTO. IMPOSSIBILIDADE. É descabida a suspensão das execuções individuais da sentença proferida na Ação Civil Pública nº 2003.71.00.065522-8 até o julgamento do Tema nº 1.033 do Superior Tribunal de Justiça. (TRF4, AG 5032383-59.2021.4.04.0000, QUINTA TURMA, Relator ADRIANE BATTISTI, juntado aos autos em 16/12/2021) Sublinhei.

AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. EXECUÇÃO INDIVIDUAL. PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO EXECUTÓRIA. PROTESTO INTERRUPTIVO. O incidente de protesto interruptivo da prescrição, nos termos do art. 202, II, do Código Civil, faz reiniciar a fluência do prazo prescricional que, contra a Fazenda Pública, passa a contar por metade do prazo. (TRF4, AG 5026731-61.2021.4.04.0000, QUINTA TURMA, Relator OSNI CARDOSO FILHO, juntado aos autos em 02/09/2021) Sublinhei.

Ante o exposto, indefiro o pedido de efeito suspensivo.

Ausentes novos elementos de fato ou de direito, a decisão que resolveu o pedido de liminar deve ser mantida.

Dispositivo

Ante o exposto, voto por negar provimento ao agravo de instrumento.



Documento eletrônico assinado por ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL, Juiz Federal Convocado, na forma do artigo 1º, inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 40003504453v3 e do código CRC e2b559ab.Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL
Data e Hora: 26/10/2022, às 18:28:14


5038028-31.2022.4.04.0000
40003504453.V3


Conferência de autenticidade emitida em 27/12/2022 08:00:58.

Poder Judiciário
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Agravo de Instrumento Nº 5038028-31.2022.4.04.0000/RS

RELATOR: Juiz Federal ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL

AGRAVANTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

AGRAVADO: ANA ELISIA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: ANA LUIZA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: FERNANDA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: LUIZ CARLOS DOS SANTOS (Espólio)

VOTO-VISTA

Foi feito pedido de vista dos autos para melhor examinar a orientação adotada pelo eminente relator, que afastou a prescrição no cumprimento individual do título judicial que decorreu do julgamento da Ação Civil Pública n. 2003.71.00.065522-8, promovida pelo Ministério Público Federal, e que assegurou a revisão dos benefícios previdenciários para a aplicação do IRSM de 39,67%, em fevereiro de 1994.

O Ministério Público Federal, autor da Ação Civil Pública nº 2003.71.00.065522-8, promoveu em 28 de janeiro de 2020, ação cautelar de protesto na 20ª Vara Federal de Porto Alegre, que teve por propósito interromper a prescrição de ações de cumprimento de sentença individuais.

Conquanto a ação até esta data não tenha recebido sentença de formal homologação, foram proferidos um despacho e uma decisão interlocutória no respectivo processo, reproduzidos a seguir.

Em 6 de fevereiro de 2020, assim se manifestou o MM. Juiz Fábio Dutra Lucarelli:

Acolho a competência.

Trata-se de pedido de protesto interruptivo da prescrição executiva de sentença proferida na ACP nº 2003.71.00.065522-8, movida pelo próprio MPF. Alega a agente ministerial que, além da proximidade do prazo da prescrição, há irrisória quantidade de execuções individuais apensadas ao processo, num total de 6 (seis)!

Antes de dar seguimento ao presente pleito, cabe dar ciência ao MPF - até porque eventualmente pode ocorrer alguma mudança de seu entendimento sobre o andamento a ser dado à questão - que a quantidade de execuções individuais propostas passa de centenas e por certo atinge milhares de feitos! Ocorre que as execuções individuais não são processadas 'por dependência' àquela ACP (e talvez tenha sido esta a pesquisa efetuada que resultou em 6 processos), com o que tramitariam todas perante o Juízo Federal da 20ª Vara. A jurisprudência do TRF determina distribuição livre, razão pela qual o dado relevante para a pesquisa é 'processo relacionado', onde é referido se tratar de execução daquela sentença, mas sem dependência.

Apenas esta 20ª Vara já recebeu 649 processos de execuções individuais, como demonstra o relatório ora anexado devendo quantidade muito próximo ter sido distribuída ao Juízo da 17ª Vara Federal. Quando aos processos distribuídos à 25ª Vara, convertida em rito comum no meio de 2019, não temos os dados mas por certo superam a centena também. Tendo em conta que, salvo melhor juízo, seriam cerca de 2400 benefícios potencialmente atingidos pela ACP, parece que teríamos mais de 1400 ações propostas (desconsiderando-se a quantidade de benefícios cessados por óbito dentre aqueles 2400).

Sendo assim, intime-se o MPF para que tenha ciência da diversidade da real quantidade de processos já propostos individualmente e avalie se há alguma alteração no procedimento pretendido, consoante a presente petição e manifestação lançada nos autos da ACP também.

Em 26 de agosto de 2020, sucedeu a decisão que trata a respeito do protesto, aqui parcialmente transcrita in verbis:

2) Protesto interruptivo da prescrição: Em relação à questão fática, cabe consignar, de pronto, que o trânsito em julgado da ACP 2003.71.00.065522-8 /digitalizada 5075282-83.2019.4.04.7100 ocorreu em 17-02-2015. Sendo assim, a prescrição da pretensão executória se configuraria no dia 17-02-2020, porquanto iniciado o prazo quinquenal em 18-02-2015. Tendo sido o presente protesto interruptivo ajuizado em 28-01-2020, tempestivo se mostra.

Em se tratando de protesto interruptivo da prescrição, assemelha-se, no novo regime processual civil, a procedimento de jurisdição voluntária, inexistindo manifestação meritória do julgador acerca do mesmo e sequer sobre seus efeitos. Neste sentido, por todos, transcrevo pequeno trecho de ementa de julgado do STJ:

"15. O simples deferimento de protesto judicial não contém juízo meritório sobre a obrigação, uma vez que se trata de procedimento não contencioso e meramente conservativo do direito em tese existente.

16. Conforme explicam Luiz Guilherme Marinoni e Sergio Cruz Arenhart, "Na realidade, essas medidas ostentam caráter de clara jurisdição voluntária, em que o Judiciário é utilizado apenas como o veículo para a manifestação da intenção do requerente. (...) Em todos estes casos, como se vê, não há propriamente atuação jurisdicional, no sentido de que nenhuma providência se espera do órgão judicial, a não ser o encaminhamento ao requerido da manifestação apresentada pelo autor. Não há, portanto, decisão judicial nestas medidas, de modo que não cabe ao magistrado pronunciar-se sobre a mora, sobre a dívida, sobre o contrato etc".(Curso de processo civil: processo cautelar, Vol. 4, 6ª ed., São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, 2014, pp. 300-301).

17. Na mesma linha, Humberto Theodoro Júnior afirma que "O protesto não acrescenta nem diminui direitos ao promovente. Apenas conserva ou preserva direitos porventura preexistentes. Não tem feição de litígio e é essencialmente unilateral em seu procedimento. O outro interessado apenas recebe ciência dele". E mais: "Da unilateralidade e não contenciosidade do protesto, interpelação e notificação,decorre a impossibilidade de defesa ou contraprotesto nos autos em que a medida é processada (art. 871). Nem, tampouco, se admite a interposição de recurso contra seu deferimento" (Curso de direito processual civil, Vol. II, Rio de Janeiro, Forense, 2014, pp.668-670)." (REsp 1340444/RS, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, Rel. p/ Acórdão Ministro HERMAN BENJAMIN, CORTE ESPECIAL, julgado em 14/03/2019, DJe 12/06/2019)

Em que pese considere que mais útil à globalidade da jurisdição seria, nos próprios autos deste feito, já se deliberar sobre uma série de questões que tenho por cabíveis e passíveis de questionamento em execuções individuais propostas após aquele prazo prescricional original de 17-02-2020, em sendo mero protesto inexiste tal possibilidade. Com efeito, tenho que seria viável discutir, por exemplo:

a) se a interrupção da prescrição efetuada pelo INSS produz efeito para execuções individuais ou apenas para a execução coletiva, nos moldes do artigo 100 do CDC;

b) se a interrupção determina que o prazo torne a correr pela integralidade ou pela metade, nos moldes do Decreto nº 90.210;

c) qual o efeito em relação a menores e a sucessores de segurados falecidos.

No entanto, não possuindo o protesto interruptivo da prescrição caráter de efetiva lide, não há como, até mesmo em homenagem à independência jurisdicional de cada julgador ao apreciar os feitos que lhe forem submetidos, deliberar este julgador sobre os temas acima.

O que cabe aferir é se é cabível a interrupção da prescrição da pretensão executiva e se tem o MPF legitimidade em tal situação de ação civil pública. Nos moldes da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça transcrita na inicial, tenho como afirmativas as respostas a ambos os questionamentos.

Por conseguinte, deve ser processado o presente protesto, intimando-se o INSS do mesmo e, após, proferida a respectiva decisão homologatória do processamento. A apreciação acerca da efetiva interrupção da prescrição da pretensão executiva e respectivos efeitos e marcos temporais será efetuada, individualizadamente, por cada julgador nos feitos submetidos à respectiva jurisdição e e nos quais suscitada a questão.

Do despacho resulta a conclusão de que, objetivamente, a se confirmarem os números constantes dos textos por mim sublinhados, milhares de pessoas promoveram, antes mesmo da ação cautelar de protesto, as ações individuais para a execução do título judicial na ação civil pública.

Transitada em julgado a decisão condenatória na ação civil pública em 18 de fevereiro de 2015, foi para buscar proteger interesses individuais dos segurados que não manejaram até 28 de janeiro de 2020 (data do protocolo da ação cautelar) as respectivas ações, que o Ministério Público Federal ajuizou, a menos de um mês do esgotamento do prazo prescricional de 5 (cinco) anos, medida processual que teria o efeito de interrompê-lo.

Mas (a) teria o Ministério Público legitimidade para interromper o prazo prescricional para a propositura de ações de cumprimento de sentença individuais e (b) seria a ação de protesto suficiente a interromper a prescrição, na hipótese de existir essa legitimidade?

Está entre as funções institucionais a promoção de ação civil pública na defesa de interesses coletivos (art. 129, III, da Constituição Federal).

Legitimado para a defesa dos interesses individuais homogêneos dos aposentados na referida ação civil pública, não lhe cabe, entretanto, substituir qualquer dos segurados beneficiados para o fim de promover a respectiva ação individual que tenha por objeto quantificar e, posteriormente, exigir do réu a obrigação de dar quantia certa.

Neste sentido, é oportuna a sempre rememorada doutrina de Teori Albino Zavascki a respeito da legitimação do Ministério Público na defesa dos direitos individuais homogêneos, in verbis:

A legitimação do Ministério Público para defender, em juízo, direitos individuais homogêneos, que tenham como origem relações de consumo, está prevista no art. 82, I, do Código de Proteção e Defesa do Consumidor. A ação civil coletiva de responsabilidade pelos danos individualmente sofridos "será proposta em nome próprio e no interesse das vítimas ou seus sucessores" (art. 91). Trata-se, pois, de hipótese típica de legitimação extraordinária, em forma de substituição processual. Os titulares do direito não serão sequer indicados ou qualificados individualmente na inicial, mas simplesmente chamados por edital a intervir como litisconsortes, se assim o desejarem (art. 94). É que o objeto da ação, mais que obter a satisfação do direito pessoal e individual das vítimas, consiste em perseguir seja fixado o valor total dos danos causados. É importante assinalar esse detalhe: os objetivos perseguidos são visualizados não propriamente pela ótica individual e pessoal de cada prejudicado, e sim pela perspectiva global, coletiva, impessoal. Não é por outra razão, também, que em caso de procedência do pedido, a condenação será genérica "fixando a responsabilidade do réu pelos danos causados" (art. 95). Condenação "genérica" (sem especificar prejuízos particularmente considerados) "fixando a responsabilidade do réu pelos danos causados" (e não os prejuízos específicos e individuais dos lesados). Caberá aos próprios titulares do direito, depois, promover a liquidação e a execução pelo dano individualmente sofrido (art. 9 7). Haverá, portanto, em tema de legitimação, substancial alteração de natureza por ocasião da execução da sentença, já que para esta, será indispensável a iniciativa do próprio titular do direito. Mesmo quando proposta em forma coletiva (art. 98), a execução, nestes casos, deverá se dar em litisconsórcio ativo, já que, aqui sim, busca-se satisfazer direitos individualmente considerados, direitos esses disponíveis e, mesmo, passíveis de renúncia ou perda (art. 100). A propositura da ação de liquidação ou de execução dependerá, portanto, de iniciativa do próprio interessado, ou de sua expressa autorização. (O Ministério público e a defesa de direitos individuais homogêneos. Revista de Informação Legislativa, ano 30, n. 117, p. 173-186, jan./mar./1993.)

Esta mesma lição vem transcrita no voto da Ministra Relatora Nancy Andrighi, no julgamento por unanimidade do Recurso Especial n. 1.758.708, na Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça, com a seguinte ementa:

RECURSO ESPECIAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. LIQUIDAÇÃO DA SENTENÇA COLETIVA PROMOVIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO. ILEGITIMIDADE. INTERRUPÇÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL DA PRETENSÃO INDIVIDUAL DOS CREDORES. AUSÊNCIA. MODULAÇÃO DOS EFEITOS DA DECISÃO. JULGAMENTO: CPC/15.
1. Ação civil pública ajuizada em 1996, atualmente na fase de liquidação individual da sentença coletiva, promovida em 2016, da qual foi extraído o presente recurso especial, interposto em 13/03/2017 e atribuído ao gabinete em 30/06/2017.
2. O propósito recursal é decidir: (i) se a liquidação da sentença coletiva, promovida pelo Ministério Público, tem o condão de interromper o prazo prescricional para o exercício da pretensão individual de liquidação e execução pelas vítimas e seus sucessores; e (ii) o termo inicial dos juros de mora.
3. O objeto da liquidação de sentença coletiva, exarada em ação civil pública que versa sobre direitos individuais homogêneos, é mais amplo, porque nela se inclui a pretensão do requerente de obter o reconhecimento de sua condição de vítima/sucessor e da existência do dano individual alegado, além da pretensão de apurar o quanto lhe é devido (quantum debeatur).
4. Ressalvada a hipótese da reparação fluida do art. 100 do CDC, o Ministério Público não tem legitimidade para promover a liquidação correspondente aos danos individualmente sofridos pelas vítimas ou sucessores, tampouco para promover a execução coletiva da sentença, sem a prévia liquidação individual, incumbindo a estes - vítimas e/ou sucessores - exercer a respectiva pretensão, a contar da sentença coletiva condenatória.
5. A ilegitimidade do Ministério Público se revela porque: (i) a liquidação da sentença coletiva visa a transformar a condenação pelos prejuízos globalmente causados em indenizações pelos danos particularmente sofridos, tendo, pois, por objeto os direitos individuais disponíveis dos eventuais beneficiados; (ii) a legitimidade das vítimas e seus sucessores prefere à dos elencados no rol do art. 82 do CDC, conforme prevê o art. 99 do CDC; (iii) a legitimação para promover a liquidação coletiva é subsidiária, na forma do art. 100 do CDC, e os valores correspondentes reverterão em favor do Fundo Federal de Direitos Difusos, ou de seus equivalentes em nível estadual e/ou municipal.
6. Ainda que se admita a possibilidade de o Ministério Público promover a execução coletiva, esta execução coletiva a que se refere o art. 98 diz respeito aos danos individuais já liquidados.
7. Uma vez concluída a fase de conhecimento, o interesse coletivo, que autoriza o Ministério Público a propor a ação civil pública na defesa de direitos individuais homogêneos, enquanto legitimado extraordinário, cede lugar, num primeiro momento, ao interesse estritamente individual e disponível, cuja liquidação não pode ser perseguida pela instituição, senão pelos próprios titulares. Num segundo momento, depois de passado um ano sem a habilitação dos interessados em número compatível com a gravidade do dano, a legislação autoriza a liquidação coletiva - e, em consequência, a respectiva execução - pelo Parquet, voltada à quantificação da reparação fluida, porque desse cenário exsurge, novamente, o interesse público na perseguição do efetivo ressarcimento dos prejuízos globalmente causados pelo réu, a fim de evitar o enriquecimento sem causa do fornecedor que atentou contra as normas jurídicas de caráter público, lesando os consumidores.
8. Consequência direta da conclusão de que não cabe ao Ministério Público promover a liquidação da sentença coletiva para satisfazer, um a um, os interesses individuais disponíveis das vítimas ou seus sucessores, por se tratar de pretensão não amparada no CDC e que foge às atribuições institucionais do Parquet, é reconhecer que esse requerimento - acaso seja feito - não é apto a interromper a prescrição para o exercício da respectiva pretensão pelos verdadeiros titulares do direito tutelado.
9. Em homenagem à segurança jurídica e ao interesse social que envolve a questão, e diante da existência de julgados anteriores desta Corte, nos quais se reconheceu a interrupção da prescrição em hipóteses análogas à destes autos, gerando nos jurisdicionados uma expectativa legítima nesse sentido, faz-se a modulação dos efeitos desta decisão, com base no § 3º do art. 927 do CPC/15, para decretar a eficácia prospectiva do novo entendimento, atingindo apenas as situações futuras, ou seja, as ações civil públicas cuja sentença seja posterior à publicação deste acórdão.
10. Convém alertar que a liquidação das futuras sentenças coletivas, exaradas nas ações civis públicas propostas pelo Ministério Público e relativas a direitos individuais homogêneos, deverão ser promovidas pelas respectivas vítimas e seus sucessores, independentemente da eventual atuação do Parquet, sob pena de se sujeitarem os beneficiados à decretação da prescrição.
11. Os juros de mora incidem a partir da citação do devedor na fase de conhecimento da ação civil pública, quando esta se fundar em responsabilidade contratual, sem que haja configuração da mora em momento anterior.
12. Recurso especial conhecido e desprovido.
(REsp n. 1.758.708/MS, relatora Ministra Nancy Andrighi, Corte Especial, julgado em 20/4/2022, DJe de 11/5/2022.)

Neste julgamento do Superior Tribunal de Justiça, o que substancialmente se discutiu era se a liquidação do título judicial transitado em julgado em ação civil pública pelo Ministério Público teria o efeito de interromper o curso do prazo de prescrição para o exercício das pretensões individualizadas de liquidação e execução pelas vítimas e sucessores.

Disso exatamente não se trata aqui, a saber, de reconhecer a iniciativa do Parquet em promover a liquidação como causa interruptiva da prescrição.

Mas as razões de decidir no precedente indicado não podem ser distintas das do presente caso, quando se pretende admitir que o Ministério Público Federal poderia interromper a prescrição para as ações individuais de execução, que são de exclusiva legitimidade dos segurados, em tese favorecidos pela decisão judicial exequenda.

Em outras palavras, o protesto promovido pelo titular da ação coletiva, após o trânsito em julgado da sentença, não aproveita aos titulares dos direitos homogêneos que mantêm relação processual exclusiva, nos cumprimentos de sentença, sem a participação do Ministério Público Federal como eventual credor solidário, não se tratando assim de situação prevista no art. 204, §1º, do Código Civil.

Sobre este ponto particular, definiu com aguda precisão o Ministro Luis Felipe Salomão em voto-vista no mesmo Recurso Especial nº 1.758.708/MS:

5.1. De fato, como se sabe, um mesmo direito subjetivo ou relação jurídica pode dar ensejo a pretensões distintas – ficando cada qual sujeita, nesse caso, a um prazo prescricional próprio. É o fenômeno da concorrência de pretensões, indicado na doutrina de Pontes de Miranda: Se há duas pretensões, ou mais, e um só titular, há concorrência de pretensões. Se os titulares são dois, ou mais, necessariamente são duas ou mais, as pretensões, e podem não concorrer. (MIRANDA, Pontes de. Tratado de direito privado. Tomo 5. Campinas: Bookseller, 2000, p. 518.)

Assim, não há falar em litispendência entre as ações calcadas em pretensões concorrentes, uma vez que cada ação possui prazo prescricional próprio, e a citação de uma não interrompe a prescrição da outra.

Em relação às ações coletivas, o STJ, no julgamento dos Recursos Especiais repetitivos n. 1.275.215/RS e 1.276.376/PR, pacificou o entendimento de que o prazo prescricional para os beneficiários ajuizarem execuções individuais da sentença coletiva é de 5 anos, a partir do trânsito em julgado da sentença coletiva. Eis as ementas dos referidos julgados:

DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO INDIVIDUAL DE SENTENÇA PROFERIDA EM AÇÃO COLETIVA. APADECO X CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. EXPURGOS. PLANOS ECONÔMICOS. PRAZO DE PRESCRIÇÃO. 1. A sentença não é nascedouro de direito material novo, não opera a chamada "novação necessária", mas é apenas marco interruptivo de uma prescrição cuja pretensão já foi exercitada pelo titular. Essa a razão da máxima contida na Súmula n. 150/STF: "Prescreve a execução no mesmo prazo de prescrição da ação". Não porque nasce uma nova e particular pretensão de execução, mas porque a pretensão da "ação" teve o prazo de prescrição interrompido e reiniciado pelo "último ato do processo".2. As ações coletivas fazem parte de um arcabouço normativo vocacionado a promover a facilitação da defesa do consumidor em juízo e o acesso pleno aos órgãos judiciários (art. 6º, incisos VII e VIII, CDC), sempre em mente o reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor (art. 4º, CDC), por isso que o instrumento próprio de facilitação de defesa e de acesso do consumidor não pode voltar-se contra o destinatário da proteção, prejudicando sua situação jurídica. 3. Assim, o prazo para o consumidor ajuizar ação individual de conhecimento - a partir da qual lhe poderá ser aberta a via da execução - independe do ajuizamento da ação coletiva, e não é por esta prejudicado, regendo-se por regras próprias e vinculadas ao tipo de cada pretensão deduzida. 4. Porém, cuidando-se de execução individual de sentença proferida em ação coletiva, o beneficiário se insere em microssistema diverso e com regras pertinentes, sendo imperiosa a observância do prazo próprio das ações coletivas, que é quinquenal, nos termos do precedente firmado no REsp. n. 1.070.896/SC, aplicando-se a Súmula n. 150/STF. 5. Assim, no caso concreto, o beneficiário da ação coletiva teria o prazo de 5 (cinco) anos para o ajuizamento da execução individual, contados a partir do trânsito em julgado da sentença coletiva, e o prazo de 20 (vinte) anos para o ajuizamento da ação de conhecimento individual, contados dos respectivos pagamentos a menor das correções monetárias em razão dos planos econômicos. 6. Recurso especial provido. (REsp 1275215/PR, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 27/09/2011.)

DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO INDIVIDUAL DE SENTENÇA PROFERIDA EM AÇÃO COLETIVA. APADECO X CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. EXPURGOS. PLANOS ECONÔMICOS. PRAZO DE PRESCRIÇÃO. 1. A sentença não é nascedouro de direito material novo, não opera a chamada "novação necessária", mas é apenas marco interruptivo de uma prescrição cuja pretensão já foi exercitada pelo titular. Essa a razão da máxima contida na Súmula n. 150/STF: "Prescreve a execução no mesmo prazo de prescrição da ação". Não porque nasce uma nova e particular pretensão de execução, mas porque a pretensão da "ação" teve o prazo de prescrição interrompido e reiniciado pelo "último ato do processo". 2. As ações coletivas fazem parte de um arcabouço normativo vocacionado a promover a facilitação da defesa do consumidor em juízo e o acesso pleno aos órgãos judiciários (art. 6º, incisos VII e VIII, CDC), sempre em mente o reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor (art. 4º, CDC), por isso que o instrumento próprio de facilitação de defesa e de acesso do consumidor não pode voltar-se contra o destinatário da proteção, prejudicando sua situação jurídica. 3. Assim, o prazo para o consumidor ajuizar ação individual de conhecimento - a partir da qual lhe poderá ser aberta a via da execução - independe do ajuizamento da ação coletiva, e não é por esta prejudicado, regendo-se por regras próprias e vinculadas ao tipo de cada pretensão deduzida. 4. Porém, cuidando-se de execução individual de sentença proferida em ação coletiva, o beneficiário se insere em microssistema diverso e com regras pertinentes, sendo imperiosa a observância do prazo próprio das ações coletivas, que é quinquenal, nos termos do precedente firmado no REsp. n. 1.070.896/SC, aplicando-se a Súmula n. 150/STF. 5. Assim, no caso concreto, o beneficiário da ação coletiva teria o prazo de 5 (cinco) anos para o ajuizamento da execução individual, contados a partir do trânsito em julgado da sentença coletiva, e o prazo de 20 (vinte) anos para o ajuizamento da ação de conhecimento individual, contados dos respectivos pagamentos a menor das correções monetárias em razão dos planos econômicos. 6. Recurso especial provido. (REsp 1276376/PR, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 27/09/2011.)

E conclui do seguinte modo:

5.2. É possível extrair, portanto, a importante premissa em relação à autonomia das pretensões deduzidas pelo Ministério Público e pela beneficiária individual no caso concreto – cognitiva e executória – e, em consequência, em relação aos prazos de prescrição.

O Código Civil, em seu art. 204, consignou o caráter pessoal do ato interruptivo da prescrição, ou seja, somente aproveitará a quem a promover ou prejudicará aquele contra quem for dirigida (regra persona ad personam non fit interruptio). Leia-se:

Art. 204. A interrupção da prescrição por um credor não aproveita aos outros; semelhantemente, a interrupção operada contra o co-devedor, ou seu herdeiro, não prejudica aos demais coobrigados.

§ 1° A interrupção por um dos credores solidários aproveita aos outros; assim como a interrupção efetuada contra o devedor solidário envolve os demais e seus herdeiros.

§ 2° A interrupção operada contra um dos herdeiros do devedor solidário não prejudica os outros herdeiros ou devedores, senão quando se trate de obrigações e direitos indivisíveis.

§ 3° A interrupção produzida contra o principal devedor prejudica o fiador.

Conclui-se, portanto, como bem destacado no voto condutor, que a pretensão exercida por aquele que não tem legitimidade para tanto, ou seja, que não é o titular do interesse que se busca satisfazer, não é apta a interromper o prazo para o exercício pelos verdadeiros legitimados. A referida exegese é evidenciada também quando do protesto promovido pelo Ministério Público com a finalidade de preservar o direito dos credores individuais, raciocínio que, segundo penso, pode ser transportado para o caso.

Após as remissões indispensáveis para seguir na linha da orientação desenvolvida, prossigo para responder a primeira indagação acima deduzida: não, o Ministério Público Federal, como legitimado para promover ação civil pública, não pode interromper o prazo prescricional para as execuções individuais, de exclusiva iniciativa dos titulares dos direitos individualizáveis.

O Código de Processo Civil de 2015 contempla o instituto do protesto judicial como procedimento de jurisdição voluntária, a exemplo da notificação e da interpelação, in verbis:

Art. 726. Quem tiver interesse em manifestar formalmente sua vontade a outrem sobre assunto juridicamente relevante poderá notificar pessoas participantes da mesma relação jurídica para dar-lhes ciência de seu propósito.

§ 1º Se a pretensão for a de dar conhecimento geral ao público, mediante edital, o juiz só a deferirá se a tiver por fundada e necessária ao resguardo de direito.

§ 2º Aplica-se o disposto nesta Seção, no que couber, ao protesto judicial.

Ora, se pode até compreender a intenção do Ministério Público Federal de adotar medida conservativa para buscar beneficiar os segurados que ainda não haviam ajuizado, a menos de um mês do esgotamento do prazo prescricional, suas ações individuais, para o cumprimento da condenação assegurada na ação civil pública. Porém, os efeitos do protesto têm origem predominantemente nas disposições de lei.

Em associação à disposição processual acima mencionada, está a disciplina contida nos seguintes artigos do Código Civil:

Art. 203. A prescrição pode ser interrompida por qualquer interessado.

Art. 204. A interrupção da prescrição por um credor não aproveita aos outros; semelhantemente, a interrupção operada contra o co-devedor, ou seu herdeiro, não prejudica aos demais coobrigados.

§ 1 o A interrupção por um dos credores solidários aproveita aos outros; assim como a interrupção efetuada contra o devedor solidário envolve os demais e seus herdeiros.

§ 2 o A interrupção operada contra um dos herdeiros do devedor solidário não prejudica os outros herdeiros ou devedores, senão quando se trate de obrigações e direitos indivisíveis.

§ 3 o A interrupção produzida contra o principal devedor prejudica o fiador.

Legitimado extraordinariamente para propor a ação civil pública na defesa dos direitos individuais homogêneos dos segurados, esgotou-se no caso presente a sua atuação institucional com o trânsito em julgado da decisão condenatória, não existindo mais em seu nome próprio, e sobretudo em razão da impossibilidade de representar terceiros em suas pretensões particularizadas, qualquer interesse jurídico.

Afirma Pontes de Miranda (in Tratado das Ações. Campinas: Bookseller, 1998, p. 305): Característica do protesto (judicial) é ser ato processual que supõe que o protestante declare o direito a respeito de si próprio, ou a manifestação de vontade complementar de outra, ou delimitadora da esfera jurídica do protestante, ou manifestação de vontade, ou comunicação de vontade de exercer alguma pretensão.

A nenhuma dessas situações corresponde a iniciativa do Ministério Público Federal quando ajuizou ação com o propósito que excede a sua condição apenas de titular na ação de conhecimento (ação civil pública).

Assim, seria, a princípio, ineficaz a ação cautelar de protesto ajuizada para os efeitos de interromper a prescrição para os cumprimentos individuais de sentença.

Contudo, a exemplo do que foi decidido no julgamento do Recurso Especial n. 1.758.708, o tema da interrupção da prescrição para o ajuizamento de ações individuais por força de protesto judicial realizado pelo Ministério Público recebeu há algum tempo diversa interpretação da que acima foi deduzida.

Por exemplo, mencionam-se os seguintes julgados nos quais se entendeu que a prescrição da execução individual do título coletivo poderia ser interrompida pelo ajuizamento da ação de protesto apresentada pelo Ministério Público: AgInt no REsp n. 1.822.430/SP, relator Ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, Terceira Turma, julgado em 24/8/2020, DJe de 31/8/2020; AgInt nos EDcl no REsp n. 1.753.227/RS, relator Ministro Moura Ribeiro, Terceira Turma, julgado em 2/12/2019, DJe de 5/12/2019; AgInt no REsp n. 1.747.389/RS, relator Ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, Terceira Turma, julgado em 2/12/2019, DJe de 6/12/2019; AgInt no AgInt nos EDcl no REsp n. 1.735.592/RS, relatora Ministra Nancy Andrighi, Terceira Turma, julgado em 25/11/2019, DJe de 27/11/2019; AgInt nos EDcl no REsp n. 1.763.048/SP, relator Ministro Marco Aurélio Bellizze, Terceira Turma, julgado em 28/10/2019, DJe de 5/11/2019; AgInt no REsp n. 1.739.670/RS, relator Ministro Marco Aurélio Bellizze, Terceira Turma, julgado em 28/10/2019, DJe de 5/11/2019; AgInt no REsp n. 1.721.395/DF, relator Ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, Terceira Turma, julgado em 16/9/2019, DJe de 18/9/2019; AgInt no REsp n. 1.753.269/RS, relatora Ministra Nancy Andrighi, Terceira Turma, julgado em 27/5/2019, DJe de 29/5/2019.

Desse modo, considerando também que idênticas situações a do caso presente receberam desfecho na linha da jurisprudência então predominante no Superior Tribunal de Justiça, não me parece adequado no atual instante dar solução diferente para todos os segurados que se encontram na expectativa de terem os recursos pendentes julgados de igual maneira.

Somente por essa razão, a saber, a de existirem diversas decisões anteriores no Superior Tribunal de Justiça , no sentido oposto àquele que sustento ser o correto, deve aqui também ser admitida a mesma interrupção da prescrição na situação dos autos.

Destaque-se, por último, que esta parece também, observada a segurança jurídica e o tratamento isonômico, a mais adequada resposta a questão que, no momento, ainda é objeto de deliberação para o fim de ser firmada tese no Tema 1.033 do Superior Tribunal de Justiça (sem ordem de suspensão nacional, senão quanto ao julgamento dos recursos especiais e agravos em recursos especiais): Interrupção do prazo prescricional para pleitear o cumprimento de sentença coletiva, em virtude do ajuizamento de ação de protesto ou de execução coletiva por legitimado para propor demandas coletivas.

Por fim, considerando o que está disposto no art. 202, parágrafo único, do Código Civil, bem como que o protocolo do Protesto Interruptivo da Prescrição nº 5004822-37.2020.4.04.7100/RS ocorreu em 28 de janeiro de 2020, nesta data recomeçou a correr, por metade, o prazo prescricional para o ajuizamento do cumprimento individual da sentença coletiva, nos termos do art. 9º do Decreto 20.910/1932:

Art. 9º A prescrição interrompida recomeça a correr, pela metade do prazo, da data do ato que a interrompeu ou do último ato ou termo do respectivo processo.

Nesse sentido, mencionam-se os seguintes julgados do Tribunal Regional Federal da 4ª Região:

PREVIDENCIÁRIO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. IMPUGNAÇÃO. PRESCRIÇÃO. DESCABIMENTO. PROTESTO INTERRUPTIVO. 1. O prazo para o ajuizamento da execução individual originada de ação civil pública é de cinco anos, contados do respectivo trânsito em julgado, conforme jurisprudência dominante e entendimento assentado pelo STJ em sede de recurso repetitivo. 2. Caso em que interrompida a prescrição, que voltou a correr por metade em razão da decisão proferida no incidente de Protesto Interruptivo da Prescrição nº 5004822-37.2020.4.04.7100/RS. (TRF4, AG 5024390-28.2022.4.04.0000, SEXTA TURMA, Relatora TAÍS SCHILLING FERRAZ, juntado aos autos em 01/08/2022)

AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA EXECUÇÃO INDIVIDUAL. PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO EXECUTÓRIA. PROTESTO INTERRUPTIVO. O incidente de protesto interruptivo da prescrição, nos termos do art. 202, II, do Código Civil, faz reiniciar a fluência do prazo prescricional que, contra a Fazenda Pública, passa a contar por metade do prazo. (TRF4, AG 5026731-61.2021.4.04.0000, QUINTA TURMA, Relator OSNI CARDOSO FILHO, juntado aos autos em 02/09/2021)

PREVIDENCIÁRIO. PROCESSO CIVIL. EXECUÇÃO DE SENTENÇA. PRESCRIÇÃO DA AÇÃO EXECUTIVA. SÚMULA 150 DO STF. 1. Em face da inexistência no direito brasileiro de norma específica sobre o prazo prescricional da execução de sentença, o Supremo Tribunal Federal firmou o entendimento de que o lapso temporal aplicável à fase ou ao processo de execução deve ser o mesmo da ação visando o reconhecimento do direito em questão (Súmula 150 do STF). 2. As disposições legais genéricas que tratam da prescrição que favorece a Fazenda Pública (nomeadamente o Decreto 20.910/32 e o Decreto-Lei 4.597/42) são aplicáveis, no que não houver incompatibilidade, à disciplina da prescrição atinente ao INSS. Isso porque o INSS é autarquia federal, sabidamente abrangida pelo conceito de Fazenda Pública. 3. A prescrição quinquenal que beneficia o INSS (parágrafo único do art. 103 da Lei 8.213/91) só pode ser interrompida uma vez. E uma vez interrompida, volta a correr pela metade do seu prazo. 4. No caso dos autos, verifica-se que o trânsito em julgado da decisão exequenda que concedeu a aposentadoria por idade rural data de 07/12/1998. No entanto, o pedido de desarquivamento, que culminou no posterior pedido inicial de ação executiva, foi formulado apenas em 09/08/2007, ou seja, mais de 8 anos após o termo inicial do prazo prescricional, sem qualquer marco interruptivo ou suspensivo. Dessa forma, resta configurada a prescrição executiva. (TRF4, AC 2007.70.07.002046-0, QUINTA TURMA, Relator RICARDO TEIXEIRA DO VALLE PEREIRA, D.E. 19/04/2010)

Desse modo, tendo em vista, no presente caso, a ação de protesto, não se operou a prescrição.

Em face do que foi dito, voto no sentido de acompanhar o relator para negar provimento ao agravo de instrumento, mas por fundamento parcialmente diverso.



Documento eletrônico assinado por ADRIANE BATTISTI, Juíza Federal Convocada, na forma do artigo 1º, inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 40003645773v1 e do código CRC 9040be15.Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): ADRIANE BATTISTI
Data e Hora: 15/12/2022, às 21:10:0

5038028-31.2022.4.04.0000
40003645773.V1


Conferência de autenticidade emitida em 27/12/2022 08:00:58.

Poder Judiciário
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Agravo de Instrumento Nº 5038028-31.2022.4.04.0000/RS

RELATOR: Desembargador Federal ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL

AGRAVANTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

AGRAVADO: ANA ELISIA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: ANA LUIZA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: FERNANDA FERREIRA DOS SANTOS

AGRAVADO: LUIZ CARLOS DOS SANTOS (Espólio)

EMENTA

PREVIDENCIÁRIO. PROCESSo CIVIL. agravo de instrumento. cumprimento INDIVIDUAL DE SENTENÇA COLETIVA. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. PROTESTO INTERRUPTIVO. EFEITOS. legitimidade do ministério público federal.

1. A decisão proferida na Ação de Protesto Interruptivo n.º 5004822-37.2020.4.04.7100/RS interrompeu a prescrição para o ajuizamento da execução individual originada da ACP n.º 2003.71.00.065522-8, o qual recomeçou a correr pela metade, nos termos do art. 9º do Decreto n.º 20.910/32.

2. Tendo sido reconhecida, de forma expressa no próprio incidente, a legitimidade do MPF para o ajuizamento do protesto interruptivo da prescrição, não há razão para se discutir essa questão em cada uma das ações individuais.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, a Egrégia 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região decidiu, por unanimidade, negar provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 13 de dezembro de 2022.



Documento eletrônico assinado por ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL, Desembargador Federal Relator, na forma do artigo 1º, inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 40003504454v7 e do código CRC a52072da.Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL
Data e Hora: 19/12/2022, às 19:20:31


5038028-31.2022.4.04.0000
40003504454 .V7


Conferência de autenticidade emitida em 27/12/2022 08:00:58.

Poder Judiciário
Tribunal Regional Federal da 4ª Região

EXTRATO DE ATA DA SESSÃO VIRTUAL DE 18/10/2022 A 25/10/2022

Agravo de Instrumento Nº 5038028-31.2022.4.04.0000/RS

RELATOR: Juiz Federal ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL

PRESIDENTE: Desembargador Federal ROGER RAUPP RIOS

PROCURADOR(A): THAMEA DANELON VALIENGO

AGRAVANTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

AGRAVADO: ANA ELISIA FERREIRA DOS SANTOS

ADVOGADO: GUSTAVO ANTONIO COPPINI (OAB SC031887)

ADVOGADO: GUSTAVO ANTONIO COPPINI

AGRAVADO: ANA LUIZA FERREIRA DOS SANTOS

ADVOGADO: GUSTAVO ANTONIO COPPINI (OAB SC031887)

ADVOGADO: GUSTAVO ANTONIO COPPINI

AGRAVADO: FERNANDA FERREIRA DOS SANTOS

ADVOGADO: GUSTAVO ANTONIO COPPINI (OAB SC031887)

ADVOGADO: GUSTAVO ANTONIO COPPINI

AGRAVADO: LUIZ CARLOS DOS SANTOS (Espólio)

ADVOGADO: GUSTAVO ANTONIO COPPINI (OAB SC031887)

ADVOGADO: GUSTAVO ANTONIO COPPINI

Certifico que este processo foi incluído na Pauta da Sessão Virtual, realizada no período de 18/10/2022, às 00:00, a 25/10/2022, às 16:00, na sequência 209, disponibilizada no DE de 06/10/2022.

Certifico que a 5ª Turma, ao apreciar os autos do processo em epígrafe, proferiu a seguinte decisão:

APÓS O VOTO DO JUIZ FEDERAL ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL NO SENTIDO DE NEGAR PROVIMENTO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO, PEDIU VISTA O DESEMBARGADOR FEDERAL OSNI CARDOSO FILHO. AGUARDA O DESEMBARGADOR FEDERAL ROGER RAUPP RIOS.

Votante: Juiz Federal ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL

Pedido Vista: Desembargador Federal OSNI CARDOSO FILHO

LIDICE PEÑA THOMAZ

Secretária

MANIFESTAÇÕES DOS MAGISTRADOS VOTANTES

Pedido de Vista - GAB. 53 (Des. Federal OSNI CARDOSO FILHO) - Desembargador Federal OSNI CARDOSO FILHO.

Pedido de Vista



Conferência de autenticidade emitida em 27/12/2022 08:00:58.

Poder Judiciário
Tribunal Regional Federal da 4ª Região

EXTRATO DE ATA DA SESSÃO VIRTUAL DE 05/12/2022 A 13/12/2022

Agravo de Instrumento Nº 5038028-31.2022.4.04.0000/RS

RELATOR: Desembargador Federal ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL

PRESIDENTE: Desembargador Federal ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL

PROCURADOR(A): CAROLINA DA SILVEIRA MEDEIROS

AGRAVANTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

AGRAVADO: ANA ELISIA FERREIRA DOS SANTOS

ADVOGADO(A): GUSTAVO ANTONIO COPPINI (OAB SC031887)

ADVOGADO(A): GUSTAVO ANTONIO COPPINI

AGRAVADO: ANA LUIZA FERREIRA DOS SANTOS

ADVOGADO(A): GUSTAVO ANTONIO COPPINI (OAB SC031887)

ADVOGADO(A): GUSTAVO ANTONIO COPPINI

AGRAVADO: FERNANDA FERREIRA DOS SANTOS

ADVOGADO(A): GUSTAVO ANTONIO COPPINI (OAB SC031887)

ADVOGADO(A): GUSTAVO ANTONIO COPPINI

AGRAVADO: LUIZ CARLOS DOS SANTOS (Espólio)

ADVOGADO(A): GUSTAVO ANTONIO COPPINI (OAB SC031887)

ADVOGADO(A): GUSTAVO ANTONIO COPPINI

Certifico que este processo foi incluído na Pauta da Sessão Virtual, realizada no período de 05/12/2022, às 00:00, a 13/12/2022, às 16:00, na sequência 739, disponibilizada no DE de 21/11/2022.

Certifico que a 5ª Turma, ao apreciar os autos do processo em epígrafe, proferiu a seguinte decisão:

PROSSEGUINDO NO JULGAMENTO, APÓS O VOTO-VISTA DA JUÍZA FEDERAL ADRIANE BATTISTI ACOMPANHANDO O RELATOR, E O VOTO DO JUIZ FEDERAL RODRIGO KOEHLER RIBEIRO NO MESMO SENTIDO, A 5ª TURMA DECIDIU, POR UNANIMIDADE, NEGAR PROVIMENTO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO.

RELATOR DO ACÓRDÃO: Desembargador Federal ALEXANDRE GONÇALVES LIPPEL

VOTANTE: Juíza Federal ADRIANE BATTISTI

Votante: Juiz Federal RODRIGO KOEHLER RIBEIRO

LIDICE PEÑA THOMAZ

Secretária

MANIFESTAÇÕES DOS MAGISTRADOS VOTANTES

Acompanha o(a) Relator(a) - GAB. 51 (Des. Federal ROGER RAUPP RIOS) - Juiz Federal RODRIGO KOEHLER RIBEIRO.

Acompanho o(a) Relator(a)



Conferência de autenticidade emitida em 27/12/2022 08:00:58.

O Prev já ajudou mais de 90 mil advogados em todo o Brasil.Acesse quantas petições e faça quantos cálculos quiser!

Teste grátis por 15 dias